quinta-feira, 22 de abril de 2010

Estranho vulcão...










Eu queria a inspiração de Machado
e a beleza das linhas de Florbela.

A serenidade e calma de Cecília
e o exótico da fala de Clarice.

A simplicidade de Cora, eu queria...
E, ainda,  a dicção de Assaré.

Mas na falta de inspiração que em mim ecoa,
apenas ouço as vozes de Pessoa

e o escarro Augusto em minha direção:
limpando a garganta da Poesia

que em breve lançará a sua lava - 
queimando e refrigerando.


Toda poesia é estranho vulcão.


Um comentário:

  1. Adorei conhecer seu blog.
    te seguindo pra saber de tudo q rola por aki.

    Bjs,
    Rafaela

    ResponderExcluir

Dê a sua opinião: